blog.com.pt

comunidade de bloggers em língua portuguesa

Autor:
M'Ines

Letras Soltas

Partilhar Algo'

URL (Endereço): http://letrassoltaz.blogspot.com Visitas / Hits: 319 / 1403
Categoria: Pessoal Rank Technorati Rank Technorati: -
Registado em: 2010-03-16 Google Backlinks Google Backlinks: -
Última actualização: 2010-02-03 às 19:36 Yahoo Backlinks Yahoo Backlinks: -
Pontuação:
Votar neste blog »

Últimos posts neste blog:

Final'

Publicado: 2010-02-03 às 19:36
"Os finais são horríveis. Fica o ar vazio, deixamos de ver ao longe, de repente apagam-se as luzes e a vida fecha-se aos nossos olhos. Depois do fim, vem a pergunta fatal; e agora? Dá vontade de ir à bruxa para ter uma ideia, mas resiste-se estoicamente, até porque as fadas também se enganam. Aproveita-se o tempo para telefonar aos velhos amigos, arrumar gavetas e deitar papéis fora, limpar a memória e deixar o coração de molho, em convalescença a carregar baterias. Mas o pior são as despedidas. É sempre horrível dizer adeus, mesmo que seja só até logo à noite. Quando gostamos de alguém, apetece-nos ser mosca para ficar a gravitar incógnito à volta dele, ouvirmos a sua respiração, rirmos com o seu riso e penarmos com as suas dúvidas. Sentimos a vocação falhada de anjo da guarda que não está a cumprir o horário. "

Margarida Pinto Rebelo

Outra forma de Morrer

Publicado: 2009-11-02 às 17:09
Devia morrer-se de outra maneiera.
Transformarmo-nos em fumo, por exemplo.
Ou em nuvens.
Quando nos sentissemos cansados, fartos do mesmo sol a fingir
de novo todas as manhãs, convocariamos os amigos mais intimos
com um cartão de um convite para o ritual do grande desfazer:
"Fulano tal comunica ao mundo que vai transformar-se em nuvem hoje ás 9horas. Traje de passeio".
e então, solenemente, com passos de reter tempo,
fatos escuros, olhos na lua, de cerimónia, viriamos todos assistir à despedida.
Apertos de mãos quentes. Ternura de calafrio. "Adeus? Adeus!"

Amor, Saudade, Morte

Publicado: 2009-11-02 às 17:00
Porque vieste ? - Não chamei por ti
Era tão natural o que eu pensava,
(Nem triste, nem alegre, de maneira
que pudesse sentir tua falta. . . )
e tu viste,
como se fosses necessário!

Nunca mais venhas assim:
pé ante pé, cobardemente oculta
Nas ideias mais simples,
Nos mais ingénuoos sentimentos:
Um sorriso, um olhar , uma lembrança. . .
- Não sejas como o Amor!

É verdade que vens, como se fosses
uma parte de mim que vive longe,
presa ao meu coração
como um elo invisivel;
Mas nao regresses mais sem que eu te chame,
- Não sejas como a Saudade!

Émbora a dor me fira, de tal modo
Que só as tuas mãos saibam curar-me,
Ou ninguém, senão tu, possa entender
O meu contentamento,
Não venhas nunca mais sem que eu te chame,
- Não sejas como a Morte!



Carlos Queirós

Súplica

Publicado: 2009-10-30 às 16:50
Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
e que nele posso nvegar sem rumo,
nao respondas
ás urgentes perguntas
que te fiz.
Deixa-me ser feliz,
assim,
Já tão longe de ti como de mim.

Perde-se a Vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer enquanto,
o nosso amor
durou.
MAs o tempo passou
há calmaria. . .
Não perturbes a calma que me foi dada.
ouvir de novo a tua voz seria
matar a sede com água Salgada.


Miguel Torga

Ela'

Publicado: 2009-10-22 às 18:31
? Clara no escutar,
Morena no responder,
Morena para te amar,
Clara para te perder.
Quem nasceu mesmo moreno,
Moreno de vocação,
Gosta de mar e sereno
De estrela e de violão. ?

Cecilia meireles